A HISTÓRIA DE POUSO ALEGRE

 

Por volta de 1596, se deu o primeiro devassamento da bacia do Alto Sapucaí pelos bandeirantes paulistas. Desde 1600, um século depois da descoberta do Brasil, a região do Mandu era conhecida, mas não era explorada, nem oficialmente administrada. Em 1601 passou pela região a expedição de dom Francisco de Souza, da qual fazia parte o naturalista alemão Glimmer.

A vau do Rio Mandu existente no local, onde o caminho cruzava com o rio, se tornou uma passagem obrigatória, facilitando a transposição de animais e carga, pela qual transitavam os viajantes que vinham de São Paulo e se dirigiam ao sertão das Gerais, à procura de ouro e pedras preciosas.

A história de Pouso Alegre começou no início do século XVIII (1701), época em que sua região servia de descanso aos Bandeirantes. A descoberta das minas de Santana desencadeou o desenvolvimento do Matosinho do Mandu, primeiro nome de Pouso Alegre.

Por volta de 1755, foi construído um posto fiscal ou Registro, destinado a evitar o desvio clandestino de ouro das minas de Santana do Sapucaí e Ouro Fino, para São Paulo e Santos, visando com isso cobrar o quinto devido à Coroa portuguesa. A presença de um Fiel, acompanhado de guardas, neste posto, indica que se tratava de um Registro de grande movimento e, consequentemente, de um povoado em franca expansão.

Em 1764, o Governador da Capitania de Minas Gerais, o General Luiz Diogo Lobo da Silva, fez uma viagem à região do Sul de Minas, em companhia do Secretário de Governo Cláudio Manuel da Costa, que fez referência no seu Poema Vila Rica, do antigo Registro do Mandu.

Conta-se que o primeiro a habitar aqui foi o aventureiro Antônio de Araújo Lobato, que posteriormente passou as terras a João da Silva, que às margens do Rio Mandu, se dedicou à lavoura, tendo doado o terreno para a construção de sua primeira Capela por volta de 1795. Os primeiros sitiantes, foram: Antônio Araújo Lobato, Felix Francisco, João Ângelo e Joaquim Reis de Lima - supostamente também chamado de Paulo Araújo Pereira.

Em 1797, o governador Dom Bernardo José de Lorena, Conde de Sarzedas, que fora transferido da Capitania de São Paulo para a de Minas Gerais, passou pelo nascente povoado, onde veio encontrá-lo o Juiz de Fora da Campanha, Dr. José Carneiro de Miranda. Conta-se que, encantados pela esplêndida beleza do lugar em que se achavam, um deles dissera que o lugar não devia se chamar Mandu, como era então conhecido, mas sim, Pouso Alegre, e que veio daí a denominação que o povo e a lei posteriormente sancionaram.

Em 1799 foi concluída a construção da Capela do Senhor Bom Jesus dos Mártires ou do Matozinho, onde hoje se encontra a Praça Senador José Bento. De construção modesta e sem nenhuma arquitetura, a capela era feita de adobes e coberta com folhas de palmeira entrelaçadas, e não era, certamente, pequena, pois serviu de matriz, mais tarde, até 1849. Oito anos depois de inaugurada, a Capela do Senhor Bom Jesus foi elevada à categoria de paróquia, pelo Alvará Régio de 6 de novembro de 1810, de dom João VI, príncipe Regente de Portugal.

Em 1808, com a chegada da Família Real no Brasil, a região Sul mineira se tornou um importante polo político e econômico, e a Campanha a maior vila dessa região.

Em 1810 o povoado foi elevado a Freguesia e em 1831 foi transformado em vila, arraial do Bom Jesus de Matozinhos do Mandu, se desmembrando de Campanha, por intermédio do Senador Imperial Cônego Senador José Bento Leite Ferreira de Mello. Um ano após a sua emancipação, foi levantado o Pelourinho, símbolo dessa conquista na Praça João Pinheiro.

Em 1830 o Padre Bento, auxiliado por seu coadjutor, Padre João Dias de Quadros Aranha fundou o Pregoeiro Constitucional, jornal de grande relevo na vida política da época, sendo o primeiro a sair no sul de Minas e o quinto na Província. Foi em suas oficinas que se imprimiu o projeto da nova Constituição do Império, chamada "Constituição de Pouso Alegre", preparada por membros do Partido Moderador no intuito de satisfazer as exigências dos mais avançados e pacificar os demais. Também criou O Recompilador Mineiro entre os anos de 1833 a 1837. Através deles difundiu o ideário liberal na sua versão moderada, opôs-se ao autoritarismo de D. Pedro I.

Em 1848 foi transformada em cidade, dois empreendimentos importantes receberam o impulso desse acontecimento a fundação da Santa Casa da Misericórdia situada no Largo do Rosário, e o início da construção da nova Matriz. Contudo a cidade vivia quase isolada do resto do país, o que impedia o seu desenvolvimento. As atividades econômicas se restringiam à agricultura de subsistência, destacando-se o cultivo e a fabricação do chá da Índia. A cidade contava ainda com algumas fábricas de aguardente, uma de velas e uma de chapéus. Apenas em 1895, com a chegada dos trilhos da Rede Sul-Mineira a Pouso Alegre, a cidade começou a dar os primeiros passos rumo ao desenvolvimento.

 

 

 
(Fonte fotos:“Almanaque Sul-Mineiro de 1874 e ASCOM prefeitura”)

 

Formação Administrativa

 O distrito foi criado com a denominação de Pouso Alegre por Alvará de 06 de novembro de 1810 e pela Lei Estadual nº 2, de 14 de setembro de 1891. A elevação à categoria de vila veio em 7 de maio de 1832, quando foi desmembrada de Campanha. Pouso Alegre passou, de fato, a ser uma cidade apenas em 1848 através da Lei Provincial n.º 443, de 19 de outubro.

 
Com uma área de 542,797 km², Pouso Alegre é hoje a segunda maior cidade do Sul de Minas Gerais em termos populacionais, com uma estimativa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2020) de 152.549 habitantes.

OS SÍMBOLOS

 

 Hino 

Pouso Alegre centenária,
A cidade legendária,
Mãe de um povo varonil!/
Sua história é mais brilhante
Que o mais rútilo diamento
Das minas do meu Brasil!
II
Pouso Alegre das igrejas
Das libélulas andejas,
Dos veréis, do colibri!
De um florido e eterno prado,
Da vendinha, do terrado,
Do Rio Sapucaí!
III
Pouso Alegre das Campinas,
Dos jardins, das casuarinas,
Das praças, da Santa Cruz!
O belo rincão mineiro,
Que tem como padroeiro
O Senhor São Bom Jesus!
IV
Pouso Alegre do passado,
De Antônio José Machado
Destas terras doador!
De Zé Bento, de Josino,
De Eduardo, Bernardino,
E outros vultos de valor!
V
Pouso Alegre do passado, 
De Antônio José Machado
Destas terras doador!
De Zé Bento, de Josino,
De Eduardo, Bernardino,
E outros vultos de valor!
V
Pouso Alegre dos colégios
De grande vultos egrégios,
Que de Minas glória são!
O teu mandu, entre outeiros,
Canta tal qual os tropeiros
Que pernoitaram em teu chão!
VI
Pouso Alegre centenária, 
O cidade legendária
Mãe de um povo varonil!
Tua história é mais brilhante, 
Que mais o rutilo diamante
Das minas do meu Brasil!
Do meu Brasil!
Letra: Milton Reis
Música: Maestro Gabriel Migllori
Oficializado pela Lei nº 2.214/87

 

 Ipê branco

A iniciativa foi aprovada no dia 15 de outubro de 2019, na sessão ordinária da Câmara Municipal, cuja Lei 6151/2019 foi publicada em 30/10/2019 no Diário Oficial dos Municípios Mineiros nº 2621.

A Lei define ainda que setembro será o mês do ipê branco na cidade, quando o Poder Executivo poderá realizar campanhas de divulgação e promoção da árvore, inclusive com a distribuição e o plantio de mudas de ipê, além de promover o turismo na cidade.

Localizadas em pontos importantes da cidade, as árvores chamam a atenção em período de florada, que vai de julho a outubro.

ECONOMIA

 Pouso Alegre se destaca atualmente como um verdadeiro polo industrial. Com 301 indústrias, o destaque vai para a presença de empresas dos setores alimentícios, de medicamentos e de máquinas pesadas.

 
Importante ressaltar que Pouso Alegre conta com 10.984 habitantes no campo, responsáveis por tornar a cidade a segunda maior produtora de morangos em Minas Gerais, com 17,7 mil toneladas.

 
A cidade conta ainda com mais de 8.020 estabelecimentos comerciais e 11.073 prestadores de serviços, que contribuem para que o município possua a maior economia da região Sul do Estado, com um PIB de R$ 6,55 bilhões e um PIB per capita de R$ 50.211,91.

 
(Fonte: Sala Mineira do Empreendedor, 2020)

INFRAESTRUTURA

 Como características urbanas, Pouso Alegre apresenta 92% de domicílios com esgotamento sanitário adequado e outros 61,5% de domicílios urbanos em vias públicas com arborização, além de 29,6% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio). A cidade possui ainda um sistema de coleta seletiva, que abrange 12,6% dos dejetos. Além disso, o município conta com um aterro sanitário e também uma parceria para destinação de parte do lixo produzido a um aterro sanitário no interior paulista.

 
No setor da educação possui 16 universidades, um polo do Instituto Federal do Sul de Minas, 34 instituições de ensino municipais (14 creches, 03 pré-escolas, 1 escola especial, 1 EJA, 15 escolas municipais), 11 estaduais (Ensinos Fundamental e Médio) e 13 escolas particulares. A taxa de escolarização, de 6 a 14 anos, chega à casa de 98,2%.

 
Além de referência econômica, Pouso Alegre é também referência no setor regional da saúde, com o Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), que atende a 16 microrregiões do Estado de Minas Gerais, correspondendo a 191 municípios com uma população estimada de em 3,5 milhões de possíveis pacientes.

 
A cidade conta também com um aeroporto com pista de 1.280 metros, pátio para estacionamento de aeronaves, dois hangares e um terminal de passageiros. Outro importante setor é o Porto Seco que conta com logística integrada na região sudeste para atender todo o território brasileiro e o mundo.

 
O Sistema Indi Maps é outro importante dispositivo para a economia local. Ele disponibiliza aos interessados em instalar empresas na cidade todas as informações sobre os espaços disponíveis, como medidas, valor, forma, contato e permite escolher o que o empresário quer por perto de seu estabelecimento.

Turismo

Prefácio

Este material vem apresentar parte dos atrativos turísticos de Pouso Alegre, locais ricos em história e significado, que demonstram a riqueza e a importância dessa terra para o desenvolvimento regional.

Trata-se de uma mostra significativa do potencial turístico histórico-cultural local, que tem por objetivo proporcionar aos visitantes e munícipes um pouco de conhecimento sobre esses pontos turísticos, além de promover a conscientização sobre a capacidade de Pouso Alegre, de se tornar um destino turístico de relevância para o Estado de Minas Gerais.

Aproveitem sua jornada por esses atrativos turísticos e de toda a infraestrutura de apoio disponibilizada aos visitantes no município, uma diversificada gama de hotéis, restaurantes, sorveterias, docerias, cafés, comércio variado, shopping e o tradicional Pastel de Farinha de Milho, que se trata de um Bem Cultural Imaterial Registrado pelo Município como parte de sua História. 

Turismo Natural

Parque Natural Municipal
Endereço: Avenida Waldemar Azevedo Junqueira, s/n°, Santa Edwiges.

Fundado em 1975, é circundado por vários fragmentos florestais em sua zona de entorno, que abrange mais de 500 hectares de Mata Atlântica preservados.
Possui uma área de uso público com aproximadamente 12 ha, destinada às atividades de educação ambiental, lazer contemplativo e recreação para a população. Possui estacionamento, banheiros, lanchonete, equipamentos de ginástica, quadra de areia, área de caminhada e playground infantil.
Fotos:

 

 


Fontanários

Mina do Machado.
Endereço: Avenida 1, 60, Colinas de Santa Bárbara.

Localizada no Parque Municipal Cândido Garcia Machado, local com 21.000 m², o Fontanário da Fonte Dona Maria ou popularmente chamada de Mina do Machado, foi inaugurada em 1998, mas a mina já era frequentada pela população há mais de 40 anos.
Fotos

 

Mina João Paulo.
Endereço: Rua Dom Mamede, 380, João Paulo II.
Fotos

 

Fontanário Capitão Geraldo Cunha (Próximo ao Museu Histórico Tuany Toledo).
Endereço: Avenida São Francisco, 320, Primavera.
Fotos

 

Trilhas de Cicloturismo.
Endereço: Praça Imaculado Coração de Maria

Projeto regional do Circuito Turístico Caminhos da Mantiqueira, onde foram demarcadas com apoio de ciclistas locais, três trilhas de ciclismo por município, com níveis de dificuldade, baixo, médio e alto, totalizando trinta e nove trilhas na região. Existem placas explicativas nos pontos de saída destes roteiros (marco 0), com informações básicas das trilhas e dos municípios, onde o ciclista, através do QR Code pode baixar as trilhas no aplicativo WikiLoc e realizar todo o percurso de forma autoguiada.
Fotos


Turismo Cultural

Mercado Municipal
Endereço: Av. Duque de Caxias, 313 a 419, Centro.

É considerado como um espaço de convivência social, onde as pessoas, além de encontrarem variedades em frutas e hortaliças, cereais, temperos, doces, queijos, carnes, destilados, fumo de corda, artesanatos, souvenires e vestuários, podem degustar tira-gostos e tomar uma cerveja nos diversos barzinhos, lanchonetes e restaurante em seu interior e exterior.
Fotos

Teatro Municipal
Endereço: Avenida Dr. Lisboa, 205, Centro.

Construção em estilo neoclássico, o Teatro Municipal de Pouso Alegre foi inaugurado em 1875 após ser construído como uma miniatura do famoso Teatro da antiga Vila Rica, atual cidade de Ouro Preto. Hoje totalmente reformado, o prédio já foi usado como cinema, loja de móveis, rádio e até uma cadeia. O Teatro foi declarado Patrimônio Histórico de Pouso Alegre e protegido por tombamento em 1999.

 

Centro Cultural Cleonice Bonillo Fernandes
Endereço: Praça Senador José Bento, 02, Centro.

Com estilo arquitetônico Eclético foi fundado em 1923, para acomodar o Fórum Municipal onde, em uma de suas salas, funcionou de 1963 até 1981, a Câmara Municipal de Pouso Alegre. Inaugurado em 30 de junho de 2017 como Centro Cultural, hoje integra a Superintendência de Cultura, a Biblioteca Municipal Prisciliana Duarte de Almeida, o Auditório José Saponara, a Academia Pouso-alegrense de Letras, o Polo de Artes e salas para atividades culturais de coletivos e grupos de artes como forma de apoio à educação cultural e ao desenvolvimento pessoal.

 

Casa da Cultura Menotti Del Picchia
Endereço: Praça Josino de Araújo, s/n°, Centro.
O prédio da Estação Ferroviária foi inaugurado em 1895, sem estilo definido. O prédio nada mais era do que uma construção útil para atender e dar conforto aos passageiros, quando a linha ferroviária passou a atender a cidade. Em 1999, o prédio foi tombado como patrimônio histórico e cultural do município e, em 20 de abril de 2017, o imóvel foi reinaugurado como Casa da Cultura Menotti Del Picchia.

 

Conservatório Estadual de Música Juscelino Kubitschek de Oliveira
Endereço: Rua Francisco Sales, 116, Centro.

Com estilo arquitetônico Neoclássico, traz detalhes barrocos no seu interior. Foi construído em 1918 pelo arquiteto Mario Gissoni, para abrigar o Colégio Santa Doroteia com administração religiosa. Em 1975, parte do Conservatório foi transferido para o edifício sendo totalmente ocupado pelo Conservatório de Música em 1978. O conservatório, que está em atividade há mais de 60 anos, oferece aulas musicais, aulas artísticas de pintura e interpretação, além de cursos técnicos como: Técnico em Instrumento, Técnico em Canto e Técnico em Design de Interiores.

 

Museu Histórico Municipal Tuany Toledo
Endereço: Avenida São Francisco, 320, Primavera.

O Museu Histórico Municipal Tuany Toledo é um espaço dedicado à preservação e difusão de um rico acervo da história de Pouso Alegre e região. A formação do Acervo teve início em 1965, quando Alexandre de Araújo (1922-2014), preocupado com a conservação da memória da cidade, realizou uma exposição de objetos na Casa Vitale (antigo magazine de vestuários de artigos finos) o atual Museu foi fundado em 1984.

 

Memorial Madre Maria Imaculada.
Endereço: Rua Comendador José García, 1307, Centro.

O corpo da Mãezinha está sepultado no Carmelo Sagrada Família, numa capelinha com acesso à população. Também existe o “Memorial Madre Maria Imaculada” que conta a história da religiosa e expõe seus objetos pessoais. Após sua morte com 79 anos em 20 de janeiro de 1988, muitos devotos declararam ter alcançado graças por sua intercessão e a Arquidiocese deu início ao Processo de Canonização da religiosa. Aberto em 30 de setembro de 2006, o Processo recebeu o Decreto de validade da fase diocesana em 18/03/2016 e agora, está na fase romana.

 

Pastel de Milho
Uma das tradições culinárias pouso-alegrense é o “Pastel de Farinha de Milho”. As várias barracas instaladas na região central da cidade são pontos certos e recomendados para quem visita Pouso Alegre. Por sua ligação com o município, o modo de preparo foi tombado como patrimônio cultural imaterial. A Associação do Pastel de Farinha de Milho de Pouso Alegre é a entidade que busca organizar, valorizar e salvaguardar este bem cultural local.

Turismo religioso
Clique na imagem para baixar o guia de turismo religioso de Pouso Alegre

 

Equipamentos de Lazer


Praça Senador José bento
Endereço: Praça Senador José Bento, s/n°, Centro.

Em 1799, com o decorrer da construção da Capela, uma nova petição para oficializar os serviços religiosos em Pouso Alegre foi enviada à São Paulo, e em 8 de abril de 1802, o Padre José de Melo realizou rituais de bênçãos para a Nova Capela, no local onde hoje se encontra o obelisco de Nossa Senhora da Conceição. A partir daí o povoado passa a ser conhecido também como Capela do Mandu e seu largo passa a concentrar os mais célebres moradores de Pouso Alegre. Na praça se encontram o Obelisco de Nossa Senhora da Conceição, inaugurado em 1904 e a Fone da Independência, inaugurada em 1934.

 

Praça João Pinheiro
Endereço: Praça João Pinheiro, s/n°, Centro.

Inicialmente chamada “Largo da Alegria” e, após a construção da Capela de Nossa Senhora do Rosário, “Largo do Rosário”. Nesta mesma praça foi erguido um Pelourinho em 1831, enquanto Pouso Alegre ainda era um recém-formado vilarejo, estabelecendo assim, usos de relação e poder, onde seriam julgados e punidos os criminosos da cidade. Na praça existe uma estátua em homenagem ao Centenário do Grupo de Escoteiros e um Busto em homenagem a Zumbi dos Palmares.

 

Praça Dom José D´Ângelo Neto
Endereço: Praça Dom José D´Ângelo Neto, s/n°, Centro.

A praça é um local muito agradável, bem arborizado, frequentado principalmente por jovens que praticam skate. A praça possui pista de skate e transitolândia, localizada ao lado do Terminal Rodoviário de Pouso Alegre, disponibiliza banheiros e lanchonetes, no local também existem muitas vagas de estacionamento.

 

Estádio Manduzão
Endereço: Rua Eduardo de Souza Gouveia, 981, Jardim Olímpico.

O Estádio Municipal de Pouso Alegre é o 6° maior de Minas Gerais, com capacidade nominal de público de 20.000 pessoas. Possui um campo gramado de tamanho oficial, com vestiários subterrâneos. O campo, circundado por uma pista olímpica, serve para o desenvolvimento de diversas atividades olímpicas. Possui uma área VIP coberta, onde se localizam também cabines para som, autoridades, dirigentes de times visitantes e Polícia Militar.

Atualmente, é utilizado pelo Pouso Alegre Futebol Clube, em disputas da Primeira Divisão do Campeonato Mineiro. Possui uma loja externa de produtos oficiais do Pouso Alegre Futebol Clube, entidade gestora do Estádio.